quarta-feira, 14 de março de 2012

Deficiência Visual Método Braile / Espaço do Educador

Olá queridos.

Hoje o espaço do Educador traz um assunto muito importante para o nosso novo modelo de Escola Inclusiva.
O assunto é Deficiência Visual e a professora Márcia Finkenauer nos enviou um texto de sua autoria muito interessante ... O texto segue na íntegra , bem como as colocações da professora que são pertinentes e por isso mesmo não podem ser omitidas.

Oi, amada, sou usuária assídua das tuas ideias. Parabéns pela criatividade e amor pela profissão que tens! Que Deus sempre esteja te inspirando!

Sou professora especialista em Leitura e Produção Textual, tenho algumas publicações, mas minha paixão são os pequenos, trabalhei com uma aluna deficiente visual, então percebi como há poucos livros nesta área para abordar o assunto não só para quem é deficiente, mas principalmente para seus colegas que não são e precisam entender este tema para que realmente aconteça a inclusão, então desenvolvi uma pequena obra,  trabalhei com os alunos e foi muito bom,  gostaria de compartilhar na esperança que seja útil para sensibilizarmos nossas crianças, pois só se respeita o
que se conhece...

Beijos

Márcia Finkenauer


VIVIANA


Márcia Finkenauer 
EMEF Dr Nadir Medeiros 
Camaquã, RS

Muito prazer, meu nome é Viviana. Eu adoro meu nome, ele rima com muitas coisas bacanas,você deve logo ter pensado em banana...
Banana,além de nutritiva é uma delícia, é macia, dizem que é amarela, não sei,sei que a gente tira a casca dela, deixando-a pelada e aí, nhac! Hum! Deu água na boca!
Voltando ao assunto da rima, prefiro lembrar que meu nome rima com semana ,semana é uma palavra especial que abraça sete dias. Tenho a impressão que os adultos têm algumas cismas com ela... Digo isso, porque ouço meu pai dizendo no domingo “Ih, amanhã começa a semana!” e na sexta “Ufa! Até que enfim é fim de semana!”.
Não dá pra entender,os adultos reclamam quando começa e se alegram quando finda, mas se ela não começar como vai findar?
Eseu nome, com que palavras  rima?
O que eu gosto mesmo no meu nome  é o comecinho dele , o Vivi, adoro esta palavra “vi”, já que eu, na verdade,  nunca  vi , você deve estar se perguntado  “Como assim?”
Ah, é que eu nasci cega dos olhos, não vejo nada, mas sinto tudo, não sou cega do coração, percebo com meus outros sentidos: a audição, o tato, o olfato, o paladar e é claro com o coração, com o coração sinto o que os outros sentidos físicos não me mostram, por exemplo, com o coração eu sinto as ondas do mar quando tocam meus pés, posso perceber, apesar de não ver, que ele é grande e forte, belo e cruel...
Além do“vi” do meu nome ter irmão gêmeo, já que é “Vivi” ele também representa o que é não enxergar, pois para mim, eu não enxergo as coisas a minha volta mas eu “vivo” tudo que me cerca, me sinto parte inseparável do mundo nos mínimos detalhes, como não vejo nada, eu me concentro em cada detalhe dos sons, dos contatos e percebo-os de uma maneira muito especial. Meu nome podia ser Vivoana, seria legal!
Às vezes, preciso de ajuda, há tantos degraus, buracos, paredes neste mundo que é difícil se locomover, principalmente para mim, pois eu ando como se flutuasse, mas ás vezes, Poim! Lá vem um degrau inesperado, experimenta sair um dia desses de olhos fechados pra você ver quantos galos e roxos você consegue!
Estou no 3º ano e estou aprendendo a ler em Braille, aqueles pontinhos são danados, tem horas que fico confusa, mas é eles que vão me levar ao mundo mágico dos livros.
Você sabe o que é Braille?
É um sistema de leitura com o tato, a gente lê com a pontinha dos dedos, é feito de uma combinação de  seis pontinhos que ficam em duas colunas com três pontinhos em cada, conforme o lugar que estão indicam uma letra, um sinal, um número, é fascinante! Ele é representado assim:

Deficiência Visual  Método Braile / Espaço do Educador
 
Só assim eu vou conseguir ler e escrever o que eu quero, o Braille está em todo lugar, nas caixas de remédios, em embalagens de alguns produtos, você também pode conhecê-lo, eu leio com os dedos e você com os olhos! Vai ser divertido!
Que tal eu te ensinar a ler em Braille, sinta só, quer dizer olha só:
Vou te mostrar as letras do alfabeto de A a J :

ALFABETO BRAILE
Agora vamos aprender como é o alfabeto de k a T, é bem simples, é igual de A a J, só se acrescenta o pontinho três:


Deficiência Visual  Método Braile / Espaço do Educador
Gente, agora acrescente o pontinho seis e iremos formar o restante do alfabeto e o Ç:

ALFABETO BRAILE
 Acho que o W é meio rebelde e não acompanha seus colegas,então  ele é assim
Ah, quando a gente quer escrever um nome próprio a gente começa com  letra maiúscula, né? Em Braille também tem um símbolo indicando isso, ele é assim:

Quer ver como fica meu nome? A gente coloca o sinal de maiúscula e o restante das letras  e ele fica assim:

Deficiência Visual  Método Braile / Espaço do Educador
 
E o seu, já pensou como ficaria?
Ah, outro dia aprendi a contar em Braille, acredita que os números são iguais às letras de A à J !?  O A representa o número 1 e o J o número 0, mas para mostrar que lá vem um número e não uma letra,antes vai aparecer  uma indicação que se parece com um L virado:

Deficiência Visual  Método Braile / Espaço do Educador
 
Como eu tenho 8 anos, eu indico minha idade assim:
 
O número 8 é representado pela letra h, pois ela é a oitava letra do alfabeto.
E sua idade, como é representada em Braille?
Sabendo os numerais eu posso realizar cálculos e um monte de coisas! Eu não vejo a hora dos preços virem em Braille, eu sempre tenho que perguntar quanto é o chocolate, porque chocolate não tem inscrição em Braille, mas eu sinto com meu tato e é claro com o olfato, hum!!!
Mas o Braille também  pode representar acentuação, pontuação, sinais e até notas musicais.
Falei tanto pra você sobre o Braille, mas você sabe como ele surgiu e por que tem este nome? É uma história muito legal, te prepara que eu vou contar, olha que eu sou boa em contar histórias:
Um dia, um menino francês de 3 anos estava na oficina do pai, vendo-o fazer arreios e selas, tentando imitar o seu pai, agarrou num instrumento pontiagudo e começou a bater numa tira de couro, o instrumento escapou da sua mãozinha e atingiu o olho esquerdo. Pouco tempo depois, uma infecção pegou no olho direito e ele ficou totalmente cego. Esse menino se chamava Louis Braille, ele, como eu, adorava ouvir histórias, mas não podia lê-las, um dia, como era bom aluno, aos 10 anos, ganhou uma bolsa de estudos e foi estudar numa escola de cegos, lá eles tinham um método que ensinava a ler com letras bem grandes em relevo, mas era complicado, imagina, uma história curta enchia muitas páginas. A leitura era muito demorada, a impressão destes livros era muito cara e em pouco tempo ele tinha lido tudo que havia na biblioteca. Então ele começou a pensar numa outra forma de leitura, ele até escreveu no seu diário: “Se os meus olhos não me deixam obter informações sobre homens e eventos, sobre ideias e doutrinas, terei de encontrar uma outra forma.”
Um dia ele ficou sabendo de um capitão do exército que tinha desenvolvido um método para ler mensagens no escuro, então ele foi falar com esse soldado, aprendeu o método e passou a estudar formas de melhorá-lo até que chegou no método que a gente conhece hoje.
Este Louis Braille foi muito importante, né? Que bom que existem pessoas como ele que contribuem para um mundo melhor, sabe, ler e escrever é um sonho, se já é importante para quem vê com os olhos, imagina pra gente!
Outro dia eu fiquei pensando numa coisa, eu estava olhando um filme lá na minha escola,a profe ia me narrando tudo que estava acontecendo porque tem momentos que só toca uma musiquinha e eu fico pensando “Ué, o que houve, o que tá acontecendo?!” E se alguém não contar pra gente, não dá pra entender toda a história, bom, voltando ao que eu estava pensando, se de uma hora pra outra eu pudesse ver com os olhos, como será que seria o mundo? O que afinal é cor? Fico imaginando, às vezes eu fico um pouco triste de não ver com os olhos, mas quando penso que Deus me deu muitos outros sentidos pra ver o mundo fico feliz novamente. E você já agradeceu pelos seus sentidos hoje?

A professora Márcia Finkenauer está escrevendo um livro que aborda a chegada do bebê pela visão da irmã, com suas dúvidas, ciúmes... 
"...que é o meu caso, tenho uma filha de 5 anos e a Amanda chega ainda este mês, a intenção é que o livro ajude outras mães a fazerem o filho aceitar a chegada do irmão,  ainda não sei bem como vai ser, está em construção..."Márcia Finkenauer

Agradecemos a contribuição da professora  Márcia Finkenauer  no Espaço do Educador Ideia Criativa. 
Ficamos imensamente felizes com sua colaboração mediante um tema considerado tão complexo na educação desde o momento em que se cogitou a inclusão do aluno Portador de Deficiência Visual no espaço escolar regular  .
Isso realmente é um desafio e precisamos da contribuição de todos para que possamos quebrar paradigmas e compreender de uma vez por todas que há sim espaço para a Inclusão em nossas escolas.
Desejamos  também que a chegada de seu bebê seja carregada de alegrias e bençãos sem fim.
Que essa herança do Senhor seja recebida cercada de todo amor, toda graça e toda plenitude de vida.

PS: O espaço do Educador está aberto a quem queira contribuir relatando suas experiências...


2 comentários:

  1. Olá, Gi!! Seu blog foi indicado por uma amiga e estou encantada. Me surpreendeu muito. Parabéns!! Obrigada por compartilhar tantas idéias legais!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gi, esqueci de deixar o meu e-mail e o de Regina, minha amiga(se possível):
      quelemeister@gmail.com
      regininhadelima_22@hotmail.com

      Excluir

Complemente esta postagem com suas sugestões. É sempre muito interessante enxergar outras formas de aplicação de determinada proposta ou os muitos pontos de vista de nossas leituras e reflexões.
Esperamos ansiosos sua colaboração!

Pesquisa Ideia Criativa mais de 20.000 sugestões

Esta é a forma mais fácil de encontrar o que você procura neste site.
Basta digitar a palavra e pesquisar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...