/* leia mais */ /* leia mais */

Pesquisa Ideia Criativa mais de 8.000 sugestões

Modelo de Plano de Ação para a Implantação do Conselho Escolar


Escola Municipal XXXXXXXXXXXXXXXX
Estagiária: Girlaine Carvalho Miranda Barbosa
Carga horária: 16 horas
Responsáveis pela aplicação do Projeto: Equipe Diretiva e Corpo Docente
Temática – Implantação de Conselho Escolar

Introdução:

Um dos grandes desafios da escola na atual conjuntura é efetivar o processo de gestão pública democrática de ensino prevista na Constituição Federal  de 1988, Artigo 206. Inciso VI.
Em consonância com a Constituição está a LDB 9394/96 em seu Artigo IV, Inciso II quando assegura a participação das comunidades escolar e local em conselhos e equivalentes na gestão democrática o que deixa clara a necessidade de sua participação direta na elaboração dos documentos escolares, sobretudo o Projeto Político Pedagógico.
Urge frente a este quadro a criação de mecanismos que possibilitem a participação ativa da comunidade no processo educativo e é no sentido de auxiliar neste cumprimento de lei que será proposto através deste Plano de Ação à implantação  do Conselho Escolar na Escola xxxxxxxxxxxx.
Sendo o CE (Conselho Escolar, doravante abreviado como CE), um órgão de natureza deliberativa, consultiva, fiscal e mobilizadora, terá como um dos objetivos principais ser “a voz e o voto dos diferentes atores da escola, internos e externos, desde os diferentes pontos de vista, deliberando sobre a construção e a gestão de seu projeto político-pedagógico”, possibilitando o estreitamento de relações entre escola e comunidade  aumentando assim a possibilidade de êxito no processo de ensino e aprendizagem dos alunos e na consolidação do processo de gestão democrática da instituição.
De outro modo também estará cumprindo seu papel social auxiliando na formação de cidadãos  que nos dizeres de Freire estejam dispostos a “ aprender, não apenas para se adaptarem, mas, sobretudo para transformar a realidade” em que estão inseridos. ( FREIRE; PAULO, 1996, p.41, grifo nosso). Indivíduos autônomos e conscientes de seu papel na sociedade do conhecimento.
Justificativa:

Durante o período de estágio na  Escola xxxxxxxxxxx , leitura e análise  de  Regimento Escolar do Município e Projeto Político Pedagógico  da Instituição observou-se que a ausência de uma estância colegiada acaba por acarretar uma falta de mobilização e participação ativa da comunidade no âmbito escolar, o que, além de não contribuir para efetivação de uma  gestão democrática prevista na LDB 9.394/96, Artigo14, Inciso II e  na Constituição Federal Artigo 206, Inciso VI   prejudica as relações interpessoais entre escola, aluno e comunidade. Neste sentido compreende-se que a criação de um Conselho Escolar propiciaria  uma melhoria  da qualidade de ensino da instituição influenciando diretamente na aprendizagem dos alunos uma vez que uma de suas funções é “participar da elaboração, implementação e avaliação do projeto político-pegagógico da escola.”  Que vem sendo reestruturado desde 2009, contudo sem uma participação mais ativa da comunidade no sentido de fazer indicativos e  ressalvas  que possam auxiliar o gestor e o corpo docente.
  Acredita-se que a proposta auxiliará não apenas para o cumprimento da lei, mas funcionará como mecanismo facilitador do trabalho escolar uma vez que aproximará a comunidade da escola sensibilizando-a para que possa  compreender seu papel, enquanto agente participativo no processo escolar.
Considera-se de  fundamental importância que a comunidade possa perceber como a escola funciona, como o gestor atua e como o corpo docente procura promover suas ações para a melhoria da qualidade de ensino na Escola XXXXXXXX procurando enxergar também quais  suas dificuldades, angústias e anseios tomando conhecimento de seu trabalho árduo e continuado, o que não é possível se não houver um estreitamento de relações dentro de uma gestão cada vez mais transparente, democrática e, por isso mesmo, mais participativa.
Para PORTELA(2004):
“Gestão democrática é, pois, a coordenação dos esforços individuais e coletivos em torno de objetivos comuns, definidos por uma política de ação e inspirados por uma filosofia orientadora e por todos partilhada.”
.A criação do Conselho Escolar, portanto não é apenas uma medida de emergência a ser tomada, mas uma necessidade real para o cumprimento da lei. Medida esta que poderá possibilitar mudanças positivas no processo de gestão escolar bem como nas tomadas de decisões coletivas nos aspectos administrativos, financeiros e pedagógicos da instituição.
Deste modo, faz se necessário à criação de um Plano de Ação visando a implantação do Conselho Escolar para que haja maior participação e colaboração da comunidade no sentido de responsabilizar-se também pelo processo educativo.
.

Objetivo geral:

Efetivar a implantação do Conselho Escolar objetivando a melhoria da escola  como um todo dentro de uma gestão participativa, colaborativa, e transparente; garantindo o cumprimento da função social e da especificidade do trabalho pedagógico da escola, de modo que a organização das atividades educativas escolares estejam pautadas nos princípios da gestão democrática.

Objetivos específicos:

  • Implantar o conselho escolar na Escola XXXXXXXXX;
  • Fortalecer a relação-escola comunidade;
  • Realizar a gestão escolar numa perspectiva democrática, contemplando o coletivo;
  • Promover reuniões para sensibilização da comunidade sobre quais as funções e qual a necessidade da criação do CE;
  • Criar comissão para coordenação do processo de implementação do CE;
  • Convocar Assembléia geral para escolha de candidatos;
  • Realizar eleições para escolha de conselheiros escolares;
  • Empossar os membros eleitos democraticamente ;
  • Avaliar o processo de implementação do CE.

9. Fundamentação teórica:

A história da educação brasileira é marcada por rupturas. Com a formação de bases democráticas de gestão dentro do ensino fundamental não foi diferente uma vez que o advento da Ditadura Militar causou um grande estrago a essas bases, estrago este  que levou a mais de 20 anos de práticas autoritárias que, ainda hoje se propagam pelo meio educacional.
O golpe de 1964 trouxe consigo a interrupção do desenvolvimento de muitas promessas de democratização social e política em gestação, inclusive da educação escolar e popular no Brasil. O regime militar, por sua forma política de se instalar e de ser, acabou por instaurar, dentro do campo educacional, comandos autoritários de mandamentos legais, os quais, por sua vez, se baseavam mais no direito da forca do que na forca do direito. O temor, a obediência e o dever suplantaram o respeito, o dialogo e o direito (Cury, 2005, p. 15).
Durante muito tempo a escola viveu dentro de um regime de autocracia, onde a voz de apenas uma pessoa era lei, onde havia um único detentor de saberes , um único agente efetivamente participativo que delibera, consulta e fiscaliza a si mesmo, excluindo a participação popular no processo de gestão da escola.
Em 1980, porém  com o enfraquecimento do regime militar, quando as vozes em prol da redemocratização social , política e educacional que ecoavam fortemente começam a ser ouvidas é que nascem as bases legais para a legitimação de uma gestão democrática embasada pelos princípios de participação e autonomia. O Fórum Nacional em Defesa da Educação Pública nos debates da Constituinte tiveram um papel fundamental  neste processo quando  garantiu a inclusão na Constituição de 1988 do princípio  da gestão democrática do ensino público, na forma da lei (art. 206, VI).
A LDB 9.394/96 definiu as normas de gestão democrática do ensino público em seu Artigo 14 na educação básica com dois condicionantes
a participação das comunidades escolar e local em Conselhos Escolares ou equivalentes e a participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola.
Os Conselhos Escolares são, portanto uma estratégia de participação popular dentro do processo de redemocratização da escola e estão amparados pela  Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional  seguindo os moldes de gestão democrática do ensino público expostos na Constituição Federal de 1988.
Em atendimento a esses pressupostos faz-se necessária uma reflexão a cerca da gestão democrática dentro das escolas públicas uma vez que ela deve ser ativa e perpassar todos os documentos norteadores da prática escolar. Esta participação precisa ser ativa, colaborativa e não meramente passiva e destituída de voz nas decisões escolares. Ela precisa ser um exercício de poder, pela participação, das comunidades escolar e local (LDB, art. 14).
Tendo em vista que.
...o Conselho Escolar se constitui na própria expressão da escola, como seu instrumento de tomada de decisão. O Conselho Escolar, similarmente ao Conselho Universitário, representa a própria escola, sendo a expressão e o veículo do poder da cidadania, da comunidade a quem a escola efetivamente pertence. ( BRASIL, 1994)
Compreende-se então sua existência como uma das formas de  mostrar ao dirigente o que a comunidade espera da escola e dentro de sua competência empreender ações para alcançar as metas estabelecidas neste intercâmbio.
Os conselhos- é bom insistir - não falam pelos dirigentes (governo), mas aos dirigentes em nome da sociedade. Por isso, para poder falar ao governo (da escola) em nome da comunidade (escolar e local), desde os diferentes pontos de vista, a composição dos conselhos precisa representar a diversidade, a pluralidade das vozes de sua comunidade. ( BRASIL, 1994)
A formação de um conselho escolar requer a representatividade dos diversos agentes envolvidos no processo educacional. Sua composição deve ser  variada, contudo dependerá  do regimento de cada rede de ensino e/ou unidade escolar como ela se dará ou da legislação do município.
Em maioria dos casos o Conselho Escolar  é composto por: pais, alunos, professores, direção e demais funcionários.
A escolha de seus membros deve acontecer dentro de um processo democrático em que a comunidade escolar, composta pelos segmentos acima citados, participará das eleições de forma direta e transparente. Esta medida contribuirá para o fortalecimento das bases de implantação  de um sistema colaborativo e participativo eficiente em que à escola poderá dispor de um colegiado com voz ativa, consolidando assim  o processo de gestão democrática dentro da instituição de ensino.
.
Metodologia:

Ações:

·         Realizar reunião para sensibilização e discussão a cerca do CE apresentando suas atribuições ,seus objetivos e formas de atuação. Nesta reunião, também será feita a escolha de membros para compor a coordenação do processo de implantação do CE e alunos e professores que participarão da confecção de cartazes e panfletos para divulgação na comunidade, bem como definir ações para promover  propagandas em rádios,  carros de som e mídia social

  • Convocar Assembléia Geral  para escolha da Comissão Eleitoral com um ou dois representantes de cada segmento que compõem a comunidade escolar de acordo com o Estatuto do CE, sendo que os membros escolhidos para esta comissão não poderão candidatar-se ao Conselho Escolar.
  • Escolha dos candidatos por segmento, registro e homologação das candidaturas e organização para campanha eleitoral.
·         Definir o dia da posse
  
·         Realização do processo eleitoral (eleição dos membros através do voto para escolha dos membros do CE). Participarão deste processo, funcionários, pais ou  responsáveis de alunos e alunos maiores de 16 anos.
·         Publicação dos resultados
·         Posse dos membros do Conselho Escolar

Recursos:

Datashow, panfletos, carro de som, espaço para reunião, papel, caneta,urnas, cédulas de votação

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES (estratégias da proposta):
Ações
Envolvidos
Período
·         Realizar reunião para sensibilização e discussão a cerca do CE apresentando suas atribuições ,seus objetivos e formas de atuação
·         Divulgação através de carro de carro de som e/ou cartazes e panfletos sobre o CE.
·         Escolha de membros para compor a coordenação do processo de implantação do CE.
Equipe diretiva
Pais
Alunos
Professores
Funcionários
Maio 2013
·         Assembléia Geral para escolha dos candidatos por segmento, registro e homologação
das candidaturas
·         Escolha dos membros para composição da comissão eleitoral.
·         Organização para campanha eleitoral
Equipe diretiva
Coordenação org.
Comunidade escolar
Junho 2013
·         Realização do processo eleitoral (eleição dos membros através do voto para escolha dos membros do CE).
·         Publicação dos resultados
Comissão eleitoral
Coordenação org.
Comunidade escolar
Julho 2013
·         Posse dos membros do Conselho Escolar
Comunidade escolar
Julho 2013
AVALIAÇÃO:

A avaliação do processo de implantação do CE será realizada pela equipe diretiva, coordenação e comunidade escolar mediante elaboração de relatório final conjunto com a exposição dos resultados.
A equipe diretiva ficará responsável pela confecção de questionário   Avaliativo que funcionará como Instrumento de Coleta de Dados e será distribuída aos Integrantes do colegiado para preenchimento de acordo com suas avaliações.

REFERÊNCIAS:

BRASIL, Conselhos Escolares: Uma estratégia de gestão democrática da educação pública, Brasília, DF, Nov.1994, Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/ce_gen.pdf. Acesso em: 02 mai. 2013.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Brasília, DF, 20 de dez. 1996, Disponível em: <http://cei.edunet.sp.gov.br/subpages/pedagogicos/arquivos/legisla.htm>.Acesso em:
30 Abril.2013

CURY, Carlos Roberto Jamil. Gestão democrática da educação pública. Gestão Democrática da Educação. Boletim 19. Ministério da Educação, Brasília, 2005;

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 21. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996;

GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 1995.


Secretaria da Educação da Bahia. O Colegiado escolar: fortalecendo a gestão democrática. Caderno de Orientações.  Bahia, 2008. Disponível em: < http://www.educacao.ba.gov.br/system/files/private/midiateca/documentos/2013/colegiadoescolarcaderno-deorientacoes.pdf
>.Acesso em: 01 Maio. 2013.




8 comentários:

  1. Artigo muito interessante! Vou salvar pois algum dia quando a cidade que eu moro resolver adotar a gestão participativa, terei um bom material para trabalhar.

    ResponderExcluir
  2. OBRIGADA POR COMPARTILHAR,VOU LEVAR PARA MINHA IRMA ADAPTAR A ESCOLA QUE TRABALHA,ONTEM PEDIU PARA EU PESQUISAR UM EXEMPLO PRA ELA,ACHO QUE VAI GOSTAR!

    ResponderExcluir
  3. QUE BOM AQUI NESTE BLOG TU NÃO SAI COM NADA PELA METADE.VOU JAJA COPIAR ESTE MODELO E MOSTRAR PARA O MEU DIRETOR COMO BASE PARA FAZERMOS POSSIVELMENTE O NOSSO.TOMARA QUE ELE CONCORDE.

    ResponderExcluir
  4. um trabalho muito rico esse , goste ibastante e fiquei bem satisfeita no que encontrei aqui, muito boa e positiva essas ideias, parabéns por tudo que você nos tras

    ResponderExcluir

Criem, recriem, sugiram, critiquem, comentem ... Façam conosco um ideia Criativa melhor!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...