O que muda na Educação Infantil com a BNCC?

Afinal, o que muda na Educação Infantil com a BNCC?

O que muda na Educação Infantil com a BNCCEsta é uma das perguntas feitas por grande parcela de professores que tentaremos responder hoje.

Eu diria que...

Muda  TUDO ou não muda NADA.

E por qual motivo coloco desta forma?

Por conta de perceber que apesar de as DCNEI - documento tomado como referência para criação da BNCC-  ter sido homologada há uma década, as práticas pedagógicas nos Centros de Educação Infantil pouco ou nada foram modificadas.

Ainda flertamos com o assistencialismo em muitas escolas públicas e a escolarização ainda é venerada por maior partes das escolas. particulares

Duas práticas com as quais deveríamos ter rompido se considerássemos os documentos oficiais.
Importante lembrar que tal qual a Base Nacional Comum Curricular, as Diretrizes Nacionais para Educação Infantil é um documento OBRIGATÓRIO em vigência sendo desrespeitado pelas redes de ensino.
Então, se as práticas não mudam, se o entendimento de criança também não muda a Educação Infantil permanece na prática tal qual está sendo até momento.

Mas afinal, o que muda na Educação Infantil com a BNCC se conseguirmos compreender o documento e colocá-lo em prática?


MUDA TUDO!

Muda a forma como se enxerga a criança, a maneira como se planeja as atividades, o modo como se estrutura esta etapa.

Trata-se de fazer diferente e não apenas de modificar nomenclaturas e continuar com velhas práticas.

Mas, qual a forma como a criança deve ser enxergada?

sujeito histórico de direitos, que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva, , brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona, e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade produzindo cultura ( BRASIL 2009)

Se você leu as DCNEI e colocou em prática já deve ter se desvencilhado da ideia daquela criança passiva, tábula rasa, folha em branco e que não pensa por ela mesma.

ISSO É ÓTIMO!

Prosseguindo...

Desde os referenciais vinhamos trabalhando com eixos temáticos. Você lembra quais?

Linguagem, Matemática, Sociedade e Natureza, Música, etc

Como podem perceber estes eixos ainda apontavam para uma estruturação da Educação Infantil no modelo de disciplinas do Fundamental I, ou seja , os saberes eram fragmentados o que levava à práticas pedagógicas escolarizantes.

Isso vai mudar!

Trabalharemos agora com  5 campos de experiência.

O eu, o outro e o nós
Corpo, gestos e movimentos
Traços, sons, cores e formas
Escuta, fala, pensamento e imaginação
Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações

Importante salientar que em nada eles lembram ENSINO INFANTIL e deixar claro que não devem ser compartimentados, ou seja, trabalhados separadamente como disciplinas.

O importante no trabalho com os campos é que as crianças possam  ter assegurados  os direitos de aprendizagem de conviver, brincar, participar, explorar, expressar, conhecer-se.

 Isso reforça a ideia de CRIANÇA PROTAGONISTA.

VEJA O VÍDEO DE PAULO FOCHI, UM DOS TEÓRICOS QUE TRABALHOU NA REDAÇÃO BNCC E ENTENDA MELHOR A IDEIA DE CAMPOS DE EXPERIÊNCIA

Posto isso fica fácil compreender que tudo em boa parte das escolas do nosso país precisa ser modificado para que as crianças tenham assegurados esses direitos.

Não dá para pensar que esses direitos seriam respeitados em um espaço de escolarização como se configura boa parte das nossas escolas ou no mero assistencialismo como em algumas de nossas creches.

Como fica então o planejamento?

A prática do planejamento precisará passar por uma modificação quase que completa, afinal não planejaremos momentos nem privilegiaremos conteúdos, mas levaremos em consideração todo o contexto do espaço escolar.

Cada ação das crianças na escola acionará determinados campos, ou seja, tudo no dia da criança é importante e deve ser considerado no momento de planejar.

Partiremos assim do claro interesse delas e prepararemos ambientes de exploração onde possam experienciar de forma rica e produzir seu conhecimento juntamente com seus pares.

Lembrando que tudo isso privilegiando as INTERAÇÕES E BRINCADEIRAS que são os eixos estruturantes da Base Nacional Comum Curricular.

Conseguiram compreender?

Com a nova BNCC em vigência na Educação Infantil o papel do professor muda

Ele se coloca frente à uma criança protagonista, ativa, participativa compreendendo-a e respeitando sua singularidade, seu interesse, sua infância.

Por fim, se não se modificam as práticas NADA muda, mas se as práticas levarem em consideração o documento TUDO mudará.

Espero que tenha ficado claro O que muda na Educação Infantil com a BNCC.
 Gi Carvalho 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem